Muitas pessoas se empolgaram com a novidade da consulta de dinheiro esquecido, já que é uma oportunidade de resgatar um valor que ficou perdido nos bancos e agora pode ajudar nas finanças. 

No entanto, tão rápida quanto a iniciativa do governo de disponibilizar essa consulta de dinheiro esquecido, foi a ação dos fraudadores. Sabemos que esse grupo de golpistas aproveita cada possibilidade de realizar atividades para roubo de valores, seja por meio de:

  • Roubo de identidade: assim, é possível se passar por outras pessoas que não são e, usando essas informações, obter dinheiro e demais vantagens que seriam concedidos ao dono do documento original.
  • Golpes cibernéticos: existem diversos tipos de golpes e fraudes virtuais, como sites falsos, links maliciosos, entre outros. Eles servem para enganar as pessoas a fim roubar seus dados pessoais, forçar a instalação de vírus, exigir o pagamentos de taxas etc.

E se você está pensando que é difícil cair nessas armadilhas, você está muito enganado. Os golpes estão cada vez mais elaborados e aprimorados, se passando por governos, empresas e pessoas reais. Então, qualquer um pode sofrer os diversos tipos de fraude. Por isso, é importante ficar atento e tomar todos os cuidados necessários.

Vamos entender melhor como funciona esse sistema de consulta de dinheiro esquecido e os golpes relacionados.

Leia também: Por que validar documentos é importante? 

O que é a consulta de dinheiro esquecido?

A consulta de dinheiro esquecido nada mais é do que um sistema desenvolvido pelo governo para que os brasileiros verifiquem se tem algum valor a receber. O Banco Central deu início neste mês de março a essa consulta em bancos ou instituições financeiras.

No total, são R$ 4 bilhões que foram esquecidos ao longo dos anos nas instituições e serão pagos a 28 milhões de clientes, sendo 26 milhões de pessoas e 2 milhões de empresas. 

Os brasileiros podem acessar o site do Sistema de Valores a Receber (SVR) para conferir se têm algum dinheiro e pedir o resgate, seguindo um cronograma dividido em três etapas.

No primeiro momento, entre 7 e 11 de março, pessoas e empresas com mais de 53 anos podem pesquisar os valores. Com a confirmação da sua situação, o sistema envia uma data para voltar ao site. No retorno, você descobre o montante certinho e pode pedir a transferência para uma conta bancária ativa.

Nas semanas seguintes, serão abertas consultas para outras faixas etárias. Caso as pessoas não vejam no dia informado, ainda existe a oportunidade de conferir na repescagem. 

Mas o que é esse “dinheiro esquecido” na prática?

Podemos achar até esquisito esse tal dinheiro esquecido nos bancos. Porém, na verdade, trata-se de valores que, muitas vezes, foram cobrados de forma indevida ou que não foram resgatados pelos consumidores.

Esse dinheiro corresponde a essas condições abaixo:

  • Contas bancárias (seja corrente ou poupança) que as pessoas fecharam, mas têm saldo disponível;
  • Tarifas e taxas bancárias cobradas indevidamente;
  • Parcelas ou operações de crédito cobradas indevidamente;
  • Cotas de capital e rateio de sobras de beneficiários de cooperativas de crédito;
  • Dinheiro não procurado em participações de grupos de consórcio concluídos.

Leia também: O que é análise de crédito e como funciona?

Como fazer a consulta de dinheiro esquecido e resgatar os valores

Para obter seu dinheiro de volta, o processo é simples. Veja como funciona neste passo a passo:

  1. Cadastre-se na plataforma gov.br pelo site ou aplicativo;
  2. A conta tem três níveis de acesso e segurança. Para consultar os valores e solicitar a transferência, é preciso ter nível prata ou ouro;
  3. Para obter o nível prata, você deve realizar a validação facial pelo aplicativo gov.br para conferência da sua foto no sistema de CNH do Denatran e a validação dos dados pessoais via internet banking de um banco credenciado.
  4. Acesse o site do Sistema de Valores a Receber na data informada anteriormente;
  5. Use seu login gov.br para acessar o sistema;
  6. Agora, você pode consultar o valor correto a receber, a instituição que deve devolver, o tipo do dinheiro esquecido e informações adicionais, se for o caso.
  7. Por fim, é possível solicitar a devolução do valor dos bancos no prazo de até 12 dias úteis, que podem ser realizadas via Pix ou de outra forma a ser combinada com instituições que não oferecem a modalidade de Pix.

Quais os golpes praticados envolvendo o dinheiro esquecido?

Com a alta procura do novo sistema e o grande interesse da população para descobrir se tem algum valor para receber, também cresceu o número de atividades usando a consulta de dinheiro esquecido como tentativa de golpe.

Uma das abordagens mais comuns é o envio de mensagens de e-mail, SMS, WhatsApp e outros meios de comunicação, entrando em contato com clientes, se passando como informação oficial do Banco Central e tentando roubar dados ou infiltrar vírus.

Alguns vírus, inclusive, podem infectar os aparelhos das vítimas, seja celular ou computador, e, então, contratá-los de forma remota. Assim, os hackers podem monitorar dados do teclado, descobrindo até senhas de bancos e outros serviços, além de controlar a webcam e a instalação de programas.

Além disso, a possibilidade existente atualmente de se criar e-mails com o domínio @gov.br também abriu um novo caminho para golpistas se passarem pelo governo federal. Desse modo, eles criam endereços de e-mail, como por exemplo, tribunalsuperiordejustiç[email protected] ou [email protected], para enviar comunicações enganosas com links maliciosos.

Dicas para evitar fraudes na consulta de dinheiro

Portanto, a indicação a todas as pessoas, principalmente às que buscam informações na consulta de dinheiro esquecido, é ter atenção redobrada. O Banco Central já avisou que não entra em contato com o público e nem envia links para falar dos valores a receber e nem confirmar dados pessoais. O site oficial do sistema é o único meio de fazer a consulta e pedir o resgate dos valores.

Outras recomendações úteis nesse momento são:

  • Não clicar em links suspeitos;
  • Não fazer nenhum tipo de pagamento para acessar o sistema;
  • Como nenhuma instituição financeira está autorizada a entrar em contato com os clientes, não interaja e nem responda quaisquer perguntas e comunicações;
  • Acesse exclusivamente o site oficial do governo;
  • Em caso de dúvidas, consulte apenas os canais oficiais de atendimento.

Por último, vale destacar a importância de fazer o cadastro na plataforma do governo e obter os níveis prata ou ouro de segurança. Isso é fundamental para poder fazer o resgate, mas também para assegurar a proteção de seus dados e evitar roubos e fraudes.

Como o MeuID ajuda a manter sua identidade segura

Primeira identidade digital do Brasil, o MeuID oferece um ambiente seguro para você armazenar e compartilhar seus documentos com total proteção e o controle de quem pode acessar seus dados.

Por meio de um processo de cadastro simples e rápido, o MeuID captura os dados do seu RG, CPF ou CNH, pesquisa a validade das informações e faz uma verificação de identidade para confirmar que ela pertence a você. Com o cadastro concluído, você pode começar a aproveitar os benefícios do aplicativo. 

Dentro do MeuID, você consegue consultar se o seu CPF está regular na Receita Federal, verificar se seus dados sofreram vazamentos, acessar o serviço de parceiros facilmente e compartilhar seus documentos de forma segura.

Ainda não é um usuário do MeuID? Baixe agora mesmo o aplicativo, mantenha sua identidade protegida e livre de fraudes, e descubra se você já teve seus dados vazados.

Deixe um comentário