Cada vez mais, nós, como usuários de internet, consumidores de lojas online, clientes de bancos e outros serviços, precisamos tomar cuidado e ficar atentos para não cair em fraudes. E uma das novas apostas dos criminosos é o chamado golpe do QR Code.

Para te ajudar a entender melhor o que é esse golpe e fugir dessa armadilha, confira, a seguir, o nosso texto!

Leia também: Como manter sua segurança na internet: veja 10 dicas

O que é o QR Code?

Antes de entrar em mais detalhes sobre o novo golpe, é importante saber o que é o QR Code na prática e para que ele serve.

Na realidade, trata-se de um código de barras dimensional (em 2D), ou seja, ele tem informações tanto no plano horizontal como no vertical. É uma evolução do antigo e tradicional código de barras que estamos acostumados a ver em boletos, por exemplo, que só tinha o plano horizontal.

A sigla QR do código vem do termo em inglês Quick Response Code, que, em tradução para o português, significa Código de Resposta Rápida. O que demonstra que ele é responsável por executar ações de forma simples e ágil.

Compreendendo um pouco mais a fundo, esse código é formado por séries de caracteres codificados naquela imagem quadrada, com grande capacidade de armazenamento de dados. 

Agora, vamos à parte mais prática: a leitura do QR Code.

Para ler o QR Code, é necessário utilizar scanner que possui raios vermelhos para decodificar a informação guardada ali dentro, transferi-la e convertê-las em números que são compreensíveis aos usuários.

Onde o QR Code é usado?

Certamente, você já viu ou usou o QR Code para alguma coisa. Ele está presente em lojas para você ler o código e saber mais informações sobre produtos ou ter acesso a conteúdos exclusivos. Basta mirar seu smartphone e fazer a leitura do código.

Para acessar o WhatsApp via web, você também precisa usar o celular para sincronizar o QR Code no computador.

Também existem diversas outras aplicações, como em campanhas publicitárias, para consulta de informações como na nota fiscal eletrônica, para pagamento de contas, em transferências via PIX etc.

São tantas utilidades que os fraudadores também começaram a olhar para essa tecnologia de códigos. Então, resolveram criar novas formas de golpes a partir do QR Code.

Como funciona o golpe do QR Code?

Para se aproveitar dessa tendência crescente do uso dos QR Codes, os criminosos em suas atividades ilegais modificam os verdadeiros códigos dos estabelecimentos, substituindo a URL que vem junto com o código quando se faz a leitura.

Como consequência, a vítima acaba direcionada para uma página falsa e que destina o pagamento de um boleto ou PIX, por exemplo, para um cibercriminoso. 

Outro tipo de crime praticado pelos hackers relacionado ao golpe do QR Code é utilizar os códigos para instalar aplicativos com vírus chamados malwares. O que pode infectar o celular e roubar diversas informações das pessoas.

Leia também: O que é vazamento de dados?

Outras fraudes em alta

Além do golpe do QR Code, é importante entender que os cibercriminosos buscam cada vez mais atingir os consumidores em seus usos mais comuns, já que:

  • Celular é o principal canal de acesso à internet pelos brasileiros;
  • Compras online não param de crescer e são uma oportunidade para fraudes;
  • Ampla adesão ao PIX facilita enganar consumidores e aplicar golpe do QR Code por exemplo;
  • A chegada do 5G vai ampliar ainda mais a internet móvel no Brasil.

Inclusive, as tentativas de fraudes no e-commerce via mobile se tornaram maioria pela primeira vez em 2021.

Associado a tudo isso, temos ainda outros potenciais riscos de fraudes, como por exemplo:

Deepfakes de phishing

O phishing é uma espécie de isca jogada para que você clique em links maliciosos ou passe seu dados para os criminosos. Ou seja, são fraudes para manipular as pessoas e conseguir informações confidenciais. 

Aliar o phishing com o deepfake é usar a inteligência artificial para imitar imagem e voz de pessoas reais, a fim de enganar os usuários e obter os dados que quiser.

Web skimmers

Aqui o principal alvo é o e-commerce, com foco nas compras das lojas virtuais. Neste golpe, são inseridos códigos maliciosos com o objetivo de roubar dados de cartões dos consumidores que estão cadastrados na página de pagamento.

Então, é fundamental ter cuidado redobrado para identificar esses códigos e não cair em mais este golpe.

Ransomware

Por fim, o ransomware é capaz de bloquear computador, hardwares e até data centers inteiros, assumindo o controle do sistema e exigindo resgates em dinheiro para devolver o acesso aos ‘donos’.

Como o MeuID te ajuda a manter a segurança de dados

Entre as principais dicas de proteção na internet, a fim de evitar o golpe do QR Code e outros, em primeiro lugar, queria te deixar este checklist. Assim, você pode descobrir se realiza as boas práticas de segurança e, se ainda não faz algo, já pode colocar na sua rotina.

Além disso, não pode faltar o MeuID. Primeira identidade digital do Brasil, o aplicativo reúne, em um único espaço, os documentos do usuário, como RG, CPF e CNH, e valida todos os seus dados, fazendo uma verificação de identidade para confirmar que elas pertencem a você.

Sem contar que você pode compartilhar seus documentos com segurança, gerando um link de acesso às suas informações e tendo controle de quem vai acessar os dados.

Além disso, pelo MeuID, você pode acompanhar se os seus dados estão envolvidos em algum vazamento, se o seu CPF está regular e até realizar um cadastro seguro em empresas parceiras.

Quer ver como funciona na prática? Acesse agora o MeuID e veja como baixar!

Autor

Deixe um comentário